Heróis sem superpoderes saem às ruas nas horas vagas para fazer o bem

Originally posted: http://www1.folha.uol.com.br/folhateen/805203-herois-sem-superpoderes-saem-as-ruas-nas-horas-vagas-para-fazer-o-bem.shtml
DIOGO BERCITO
SAO PAULO
À noite, Thanatos, 62, faz ronda nas ruas de Vancouver, no Canadá, vestindo sobretudo preto, chapéu e máscara verde cadavérica.
“Procuro mendigos à espera da morte e lhes dou mais um dia de vida”, diz à Folha por telefone, cheio de mistérios e sem revelar a verdadeira identidade.
Ele escolheu o codinome Thanatos há três anos, inspirado no deus grego da morte. Assim, entrou para a turma dos super-heróis da vida real, um grupo que se organizou nos EUA há dez anos.
Esses mascarados não têm poderes excepcionais, mas vão às ruas para ajudar quem precisa. Thanatos, por exemplo, distribui itens como garrafas de água e comida a moradores de rua.
A tarefa dele não envolve lutar com vilões maquiavélicos, o que não quer dizer que seja moleza. Ou seguro.
“Um traficante colocou uma arma no meu estômago”, conta Thanatos. “Eu estava com colete à prova de balas, então o desarmei.”
O nova-iorquino Dark Guardian, 26, passou por situações parecidas. Professor de artes marciais, ele patrulha a cidade, eventualmente lutando com gangues. “Sim, pode ficar bem perigoso.”
Como todo super-herói que se preze, Dark Guardian tem uma história decorada sobre sua origem. “Nunca tive modelos positivos, meu pai abusou de mim”, conta. “Quis ser um exemplo para os outros, como os personagens dos quadrinhos.”

Photo by Peter Tangen
Photo by Peter Tangen

Vigilantes como Thanatos e Dark Guardian ganharam destaque no ano passado, quando o fotógrafo norte-americano Peter Tangen leu sobre eles em uma revista.
Acostumado a fotografar para pôsteres de filmes como “Homem-Aranha” e “Batman Begins”, Peter ficou surpreso ao saber que havia, fora do cinema, quem se vestisse para ajudar os outros.
“A necessidade do mundo por super-heróis motivou tanto os filmes quanto essas pessoas”, sugere Peter, que montou o Real Life Super Hero Project (bit.ly/rlshero), com fotos desses vigilantes.
O nova-iorquino Life, 25, pensa de maneira afim. “São tempos difíceis, e as pessoas precisam de modelos.”
A explicação para a necessidade de fazer isso vestindo máscaras varia de um herói para o outro. “Se eu não me fantasiasse, não me sentiria tão poderoso”, afirma Life.
Já Nyx, 20, não se vê como uma personagem. A garota é heroica desde os 16 anos e diz que o uniforme é “uma extensão” de si mesma.
No Brasil, com exceção do Ciclista Prateado, o movimento não vingou.
“O super-herói é um empreendedor, um indivíduo. Essa é a história dos EUA, nosso sonho”, teoriza Life.
DENUNCIAR CRIMES E COBRAR O GOVERNO É MAIS PRODUTIVO
Enquanto os super-heróis da vida real agem como voluntários de boas ações, tudo bem. Mas combate ao crime ou ao tráfico é complicado.
“Há o risco de que se torne um “vigilantismo”, um instrumento de vingança”, afirma Renato Lima, secretário-geral do Fórum Brasileiro de Segurança Pública.
A segurança pública, aliás, é uma responsabilidade do Estado, alerta Lima. Assim como o uso da força.
“Quem é que vai definir o que é certo e o que é errado? Os heróis?”, pergunta-se.
Segundo Lima, a população pode ajudar de outras maneiras -por exemplo, cobrar seus governantes.
PERFIS HEROICOS
nyxportrait
Nyx
20 anos
“Tenho compulsão por moradores de rua.
Perdi meus pais quando pequena, então
quis melhorar a vida dos outros”
thanatos
Thanatos
62 anos
“A razão pela qual me fantasio é que
o que estou fazendo é mais importante
do que quem eu sou na vida real”
Photo by Peter Tangen
Photo by Peter Tangen

Dark Guardian
26 anos
“A melhor parte de NY é que você pode
andar fantasiado na rua e isso não vai
ter nada de excepcional”
life
Life
25 anos
“Super-heróis começaram nos quadrinhos,
viraram filmes e então videogames. Tornarem-se
reais é sua evolução natural”
English Translation
At night, Thanatos, 62, is round the streets of Vancouver, Canada, wearing black coat, hat and green mask mortis.
“Looking beggars waiting to die and give them one more day of life,” the Folha by phone, full of mysteries and without revealing their true identity.
He chose the codename Thanatos three years ago, inspired by the Greek god of death. So, he joined the gang of superheroes in real life, a group that was organized in the U.S. ten years ago.
These exceptional powers are not masked, but will hit the streets to help those in need. Thanatos, for example, distributes items such as bottled water and food to homeless people.
His task does not involve Machiavellian villains to fight, which does not mean it’s easy. Or safe.
“A dealer put a gun in my stomach,” said Thanatos. “I was bulletproof vest, then disarmed.”
The New Yorker Dark Guardian, 26, went through similar situations. Martial arts teacher, he patrols the city, where fighting with gangs. “Yes, it can be really dangerous.”
Like any superhero worth its salt, Dark Guardian has a decorated history of its origin. “I never had positive role models, my father abused me,” he says. “I wanted to be an example to others, like the characters in comics.”
Peter Tangen
The real-life superpowered, photographed by Peter Tangen
Vigilantes as Thanatos Dark Guardian and gained prominence last year when the American photographer Peter Tangen read about them in a magazine.
Accustomed to shooting the movie posters like “Spider-Man” and “Batman Begins,” Peter was surprised to learn that there was, outside the cinema, who were dressed to help others.
“The world’s need for superhero movies as much motivated these people,” suggests Peter, who rode Real Life Super Hero Project (bit.ly / rlshero) with pictures of these vigilantes.
The New York Life, 25, thinks so order. “These are difficult times, and people need role models.”
The explanation for the need to do this wearing masks varies from one hero to another. “If I do not fantasize, I do not feel so powerful,” says Life.
Already Nyx, 20, is not seen as a character. The girl is 16 years since the heroic and says the uniform is “an extension” of itself.
In Brazil, except for Silver Rider, the movement lost steam.
“The superhero is an entrepreneur, an individual. This is the story of the U.S., our dream,” theorizes Life.

Editorial / Art Folhapress

REPORTING CRIMES AND CHARGE THE GOVERNMENT IS MORE PRODUCTIVE
While the super-heroes in real life act as voluntary good deeds, fine. But fighting crime or the traffic is complicated.
“There is a risk that it becomes a” vigilantism, “an instrument of revenge,” said Renato Lima, general secretary of the Brazilian Forum of Public Security.
Public safety, incidentally, is a state responsibility, warns Lee. As the use of force.
“Who will define what is right and what is wrong?” Heroes? “He asks himself.

According to Lima, the public can help in other ways-for example, charge their rulers.

Heroic profiles
nyxportrait
NYX
20 years
“I’m craving homeless.
I lost my parents when small, then
wanted to improve the lives of others ”
thanatos
THANATOS
62 years
“The reason is that I fantasize
what I’m doing is more important
that’s who I am in real life ”
darkguardianportrait
DARK GUARDIAN
26 years
“The best part about NY is that you can
floor dressed in the street and it will not
having nothing exceptional ”
life
LIFE
25 years
“Superheroes began in comics,
then turned into movies and video games. Become
its natural evolution is real

Tagged with: dark guardian, life, nyx, past the mask, peter tangen, Real Life Superheroes, rlsh, thanatos